Segundo momento do Codir é marcado por diversos debates | Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins

Data da Publicação: 24 fev 2016
Hora da Publicação: 15:09
Segundo momento do Codir é marcado por diversos debates
Autor: Comunicação

Codir parte da tarde

Reunião do Codir

Na tarde desta terça-feira, 23, os dirigentes do IFTO deram continuidade à primeira reunião do Colégio de Dirigentes (Codir) deste ano.

Na sequência da pauta, os gestores avançaram no debate sobre o Inquérito Civil do Ministério Público referente à implantação do ponto eletrônico no âmbito do IFTO. “Com o prazo muito apertado, se o IFTO não implantar, vai responder inquérito civil. Os esforços agora são para a regulamentação do ponto eletrônico, definir como será a utilização e os critérios de funcionamento” ressaltou Nairton.

Acerca do assunto, os dirigentes decidiram pela criação de uma comissão de servidores responsáveis por elaborar uma normativa para regulamentar os procedimentos para utilização do ponto eletrônico por todos os servidores do IFTO. A comissão será composta por um representante da Diretoria de Gestão de Pessoas do IFTO; da Gerência de Recursos Humanos do Campus Palmas; da Diretoria de Tecnologia da Informação do IFTO; da Gerência de Tecnologia de Informação do Campus Palmas e o pró-reitor de Extensão.

A minuta, após ser elaborada pela comissão, será apreciada pelo Codir e, posteriormente, será disponibilizada para a comunidade propor sugestões e adequações, de acordo com legislação vigente. Na ocasião, o diretor de Tecnologia da Informação do IFTO, Jadson Vieira, esteve presente para explicar sobre equipamentos e sistemas, bem como sobre a dinâmica e condições necessárias para instalação do ponto eletrônico.

Ainda durante a reunião do Codir, representantes da Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins (Fapto) estiveram presentes com o objetivo de esclarecer como estão sendo conduzidos os trabalhos da fundação após as investigações da Polícia Federal, de modo a dar transparência dos atos e possível continuidade de convênios.

Na sequência, o diretor-geral do Campus Palmas, Octaviano Furtado, fez apresentação de detalhamento de taxas de serviços acadêmicos da unidade no sentido de propor a regulamentação da cobrança de valores. Também foram destacados pelo diretor os problemas enfrentados com custos e execução na aplicação de processos seletivos da unidade.

O pró-reitor de Extensão (Proex), Helder Pereira, também explanou sobre dificuldades existentes quanto à execução e conclusão de projetos de extensão nas unidades. Em seguida, a diretora de Pós-Graduação (DPG), Erna Augusta Denzin, em substituição ao Pró-reitor de Pesquisa e Inovação (Propi), Augusto Cesar, apresentou a divisão de bolsas por unidade e utilização de recursos de pesquisa para apreciação dos dirigentes.

Outros temas

Entre os pontos de pauta do Codir, foram discutidas questões sobre o Sistema de Gestão de Processos Disciplinares (CGU-PAD); o detalhamento de despesas do Orçamento 2016; a necessidade de alimentação do Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação (Simec); o acompanhamento de bolsa permanência e a disponibilidade de documentos para cadastro de entidades estudantis, acessíveis na página da Diretoria de Assuntos Estudantis (DAE), no site do IFTO.

Texto: Coordenação de Comunicação e Eventos – IFTO